Dioni Alves, através da Policia Federal, tornou Ribamar Fiquene conhecida no planeta inteiro!!!

Share:

A cidade de Ribamar Fiquene se tornou conhecida no país inteiro e até no exterior, não por suas lindas praias ou pelo seu povo hospitaleiro, infelizmente foi por uma operação da Policia Federal que desarticulou uma quadrilha que assaltaram os cofres públicos do município, s
egundo a Policia Federal, foram desviados cerca de R$ 15 milhões somente em recursos federais e foram presas 24 pessoas, juntamente com a cidade de Senador La Rocque. 

O dia 5 de março de 2009 ficou marcado na memória dos moradores mais antigos da cidade, foi o dia em que a Policia Federal prendeu empresários, políticos, secretários municipais, membros das comissões de licitação e contadores durante a Operação Rapina III, deflagrada para desarticular uma quadrilha especializada em desviar verbas públicas no Maranhão, Dioni Alves chegou a ter a sua prisão pedida pelo Ministério Público Federal, mas a justiça não acatou.


Em Ribamar Fiquene aconteceu um fato inusitado, a Policia Federal foi até o endereço de um secretário para efetuar a sua prisão, como ainda era muito cedo, o secretário achou que quem estava batendo em sua porta, era o leiteiro, então ele disse: vá embora, hoje não quero leite, como a Policia Federal não parara de bater, ele se zangou e disse: rapaz, já disse que não quero leite hoje, e abriu a porta só de cueca, quando ele viu os HOMI de preto, armado até os dentes, dizem que ele caiu pra trás durinho da silva.

A Policia Federal disse que todo o esquema era articulado pelo prefeito e tesoureiro que sacava os recursos das contas públicas sem observar os requisitos legais. Normalmente, próximo à época de prestação de contas do município para o Tribunal de Contas do estado, o secretário (de saúde ou educação) simulava pedido de licitação, que era rapidamente autorizada pelo prefeito, com parecer favorável do assessor jurídico do município.

Toda documentação necessária era preparada em escritórios de contabilidade de Imperatriz e depois entregue aos municípios para assinaturas. Os secretários atestavam o recebimento de produtos, serviços e medições necessárias para o pagamento. Por fim, os processos de pagamentos eram preparados para que os saques ocorridos inicialmente fossem justificados.

Foi apurado pela PF e pela CGU que as prefeituras de Ribamar Fiquene e Senador La Rocque, fraudavam licitações, balancetes contábeis e utilizavam notas fiscais falsas das empresas de fachada investigadas com o objetivo de encobrir desvio de recursos públicos oriundos da União por meio de convênios, fundos e planos nacionais.

Entre os crimes cometidos pela quadrilha estão o de falsificação de documento público, falsificação de documento particular, falsidade ideológica, uso de documento falso, peculato, emprego irregular de verbas públicas, formação de quadrilha, fraude a licitação e lavagem de dinheiro.

Em Ribamar Fiquene um carro da Ford teve o nome mudado, passou a se chamar ConFusion, essa é uma vergonha que a cidade tenta a todo custo esquecer!!!

Nenhum comentário